O Grande Mauricinho estreia nos cinemas brasileiros nesta semana

Baseado em livro de Terry Pratchett, a versão nacional da animação conta com Marcelo Adnet e Sophia Valverde como dubladores

A animação O Grande Mauricinho, que fez sua estreia mundial em janeiro, no prestigioso Festival de Sundance, chega aos cinemas brasileiros nesta semana. O filme tem como protagonista um gato falante chamado Maurice, que viaja de cidade em cidade oferecendo seus serviços como exterminador de ratos.

Com direção de Toby Genkel, o longa chega aos cinemas nacionais nesta quinta-feira, dia 2 de fevereiro, trazendo as vozes de Marcelo Adnet como o gato Mauricinho e Sophia Valverde, interpretando a menina Marina.

Uma animação de peso

O roteiro do longa é assinado por Terry Rossio, roteirista de sucessos como Aladdin e Shrek, e conta a história de um gato viajante e falador, Mauricinho, que com a ajuda de seu parceiro Kinho, um menino que toca flauta muito bem, leva os ratos a marchar para longe da cidade, para o alívio dos habitantes. Mauricinho pega o dinheiro da recompensa e vai até uma distância segura para contar e dividir os ganhos com Kinho… e com os ratos!

Esses não são ratos comuns – eles falam, usam roupas e sonham com uma ilha paradisíaca onde ratos e humanos vivem juntos em paz. Tudo vai bem com o golpe, até que Mauricinho e os roedores chegam à cidade de Bad Blintz e conhecem Marina (Sophia Valverde), uma menina muito inteligente que pode fazer o plano ir por água abaixo.

Genkel contou em entrevista ao Animation Scoop que, quando foi convidado para dirigir o longa, não pensou duas vezes. “É pura genialidade e uma história incrível, e tudo o que você quer fazer é colocá-la na tela. Logo a seguir, tive oportunidade de ler o roteiro do Terry Rossio. Não é fácil transformar Pratchett em filme, e Rossio fez um ótimo trabalho. Temos que admitir que o nome Pratchett tem um certo peso, mas também é uma grande emoção e honra adaptá-lo”, disse o diretor.

O cineasta também destaca as personagens, que são tipos aos quais não estamos acostumados e que tentou mantê-los fiéis ao material original.

“Por que mudá-los se eles são perfeitos? Quando eu comecei a ler o romance e o que tem que ter no filme, eu comecei a marcar linhas nas páginas…e você acaba marcando páginas e páginas e páginas porque é muito bom! Estávamos realmente apoiados na obra de um gigante, Terry Pratchett. Mantivemos o espírito dele e de alguma forma tentamos colocá-lo na tela. Maurice é bastante sarcástico e mesquinho”, disse Genkel.

Foto: divulgação/Imagem Filmes

Um estilo completamente diferente

O Grande Mauricinho combina imagens geradas por computador e outras em técnicas mais clássicas, desenhadas a mão. Genkel explica que não havia outra forma de fazer o filme, se não fosse dessa mistura.

“O estilo foi definido pela história. E foi ótimo abrir o filme em um estilo completamente diferente. Nos primeiros minutos, recebemos três tapas diferentes na cara. Começa com desenho convencional e super romântico, uma doçura tipo a da Disney. E então, de repente, faz Boom! e estamos em um mundo com dimensões e profundidade nesta sala estranha com uma garota que fala muito.”

E aí, vai conferir? Conta pra gente lá no Instagram! E continue aqui no site para mais informações sobre o mundo do cinema e do entretenimento.

 

Foto de capa: divulgação/Imagem Filmes