Leleu | Jim Jones: Massacre em Jonestown da série de crimes reais da DarkSideBooks

A trajetória de Jim Jones e tudo que o levou até o fatídico dia do maior suicídio coletivo da história 

A equipe do Le Ferrarez teve acesso a um dos destaques dos lançamentos de julho da DarkSide e trouxemos em primeira mão a resenha do livro Jim Jones: Massacre em Jonestown para os nossos leitores. 

A série de crimes reais vem conquistando cada vez mais fãs por todo o Brasil fascinados pela mente sombria por trás de grandes massacres ao redor do mundo. Não há como negar a curiosidade em tentar descobrir o que se passava pela cabeça desses assassinos e a trajetória que os levou a cometer tais atos. 

O ano era 1978 quando em uma região de floresta amazônica na Guiana, cerca de 900 pessoas beberam uma mistura de suco e cianeto, influenciadas a encontrar o paraíso ditado por Jim Jones, o líder religioso do chamado Templo Popular. Esse caso marca a tragédia como o maior suicídio coletivo da história. O pastor consolidou sua fama como uma figura imponente propagando curas milagrosas e fraudulentas a todos que quisessem ouvir, organizava encontros religiosos de grande porte onde acolhia as minorias com uma falsa sensação de segurança. 

Após algum tempo de pregação religiosa, quando Jim possuía a confiança de seus seus seguidores, surgiu a notícia de um suposto apocalipse nuclear que rapidamente repercutiu ganhando cada vez mais força. Assim nasceu a ideia de Jonestown, um projeto agrícola da organização religiosa sob a liderança de Jim Jones. Situada no noroeste da Guiana, o refúgio foi construído para que seus seguidores conseguissem de um mundo condenado ao grande desastre. 

O livro é uma junção de relatos de pessoas que passaram pela vida de Jim Jones, narrados pelas palavras do jornalista investigativo Jeff Guinn, que já é um veterano nestas histórias com o livro Manson, A Biografia, que também carrega o selo Crime Scene®. Examinando a vida de Jim Jones desde sua infância, abuso de drogas ilícitas, os primeiros passos como líder religioso até sua conturbada decisão de fundar uma sociedade. 

É importante destacar o excelente trabalho de campo de Guinn que viajou até a cidade natal de Jones reunindo relatos de pessoas que nunca falaram sobre o caso abertamente, o jornalista também analisou milhares de páginas de arquivo do FBI para chegar ao resultado desse livro fascinante dissecando a real face do assassino. 

Opinião da redação

Através das palavras de Jeff Guinn o livro carrega ao mesmo tempo uma apresentação clara dos fatos na mesma intensidade em que somos inseridos dentro da mente doentia do garoto obcecado pela morte. 

Enquanto leitores nos sentimos não somente observando a história do lado de fora, mas também vivendo ao lado de Jones cada um de seus passos e tentando traçar uma linha clara de raciocínio para tentar entender as motivações do garoto que se tornou um homem que acreditava fielmente nas atrocidades que propagava. 

Para os novatos que não estão acostumados com biografias de crimes reais recomendamos ir com calma na leitura, algumas verdades do caso podem te surpreender e deixá-los  mais que perturbados com a crueldade. 

Através de uma declaração admirável e detalhada, Jeff Guinn consegue nos prender durante as 500 páginas divididas em 52 capítulos de uma história brutal que faria qualquer um fechar os olhos. 

A edição de Jim Jones: O Massacre em Jonestown está disponível no site da DarkSide e leva cinco best sellers da redação.  

Gostou da resenha? Acompanhe o Le Ferrarez para não perder nenhum lançamento dos seus livros preferidos através dos olhos da nossa redação. 

Foto de capa:divulgação/DarkSide/Nancy Wong