7 coisas sobre a Olivia Newton-John que você não sabia

Olivia Newton-John é um ícone feminino do cinema e da música que marcou gerações inteiras, mas você não sabe tudo sobre ela

Sabemos que você provavelmente está triste pela morte da Olivia Newton-John, porque nós também estamos. Ela foi um ícone que marcou a vida de gerações, tanto no cinema quanto na música.

Ela foi responsável por dar vida a Sandy Olsson, em Grease (1978), e por protagonizar o filme Xanadu (1980). Seu rosto de boneca, olhos bem azuis e sua delicadeza a marcaram como um ícone de beleza, enquanto seus papéis a permitiam demonstrar força feminina e representação. E talvez essa seja a primeira coisa que você não sabia…

Mas fora isso, Olivia Newton-John teve uma vida curiosa atrás das câmeras, e hoje vamos falar sobre isso.

Metade judia

Olivia Newton-John ainda jovem, sorrindo para a fotografia
Foto: divulgação

Temos o hábito de pensar na atriz como uma figura inglesa clássica: cabelo loiro, altura razoável, cintura fina e olhos azuis demais. Mas na verdade Olivia Newton-John era alemã.

E você até pode pensar: “óbvio que ela era, porque seu biotipo diz isso”. Mas o que você talvez não sabia é que ela era judia.

Sua família fugiu da Alemanha nazista durante a Segunda Guerra Mundial, e foram parar na Inglaterra, onde judeus eram bem-vindos.

De família famosa (mas não como você está pensando)

Diferente do que você pode pensar quando imagina Olivia Newton-John vindo de família famosa, a herança popular bem por parte do avô.

Claro que, durante as décadas de 1970 e 1980, a família de Newton-John conquistou o estrelato no mundo da música e da atuação, mas a popularidade vem do avô materno, Max Born.

Seu avô ganhou o Prêmio Nobel de Física de 1954, e foi responsável por avanços importantes na mecânica quântica.

Londres – Austrália 

Apesar de nascer na Inglaterra, Olivia Newton-John viveu na Austrália, e foi lá que ela começou a trilhar sua carreira como artista.

Ela ganhou um concurso de talentos quando vivia na Austrália, e o prêmio foi uma viagem para Londres. Sua terra natal, então, a recebeu de volta sem imaginar o sucesso que seria.

Foi em Londres que ela começou a ganhar maior visibilidade, ao lado da amiga Pat Carroll, em uma dupla que viajava por bases e clubes do exército.

“Meu querido, eu sou cantora”

Olivia Newton-John sorrindo para a foto, em fundo rosa
Foto: divulgação

Aposto que você acha que ela surgiu em Grease, mas aí está o seu equívoco.

Aos 15 anos ela já tinha formado uma banda só de garotas, e já estava ganhando destaque em programas de TV locais e semanais de música pop pela Austrália.

Surgir como atriz veio bem depois de já ter conquistado uma carreira na música, incluindo nomeações importantes. Seu primeiro Grammy Award veio cedo, e foi na categoria de Melhor Vocalista Country.

Physical

Pode ir agora perguntar para sua família se a música Physical fez parte da sua adolescência. Sua resposta vai ser afirmativa!

A música ficou no top 1 mundial por dez semanas consecutivas em 1980. E apesar de você obviamente já ter ouvido esse hit, quase com certeza não se lembra que ela é a cantora.

Nem só de Grease e Xanadu a carreira dela foi feita. Mas…

De Grease para NósVozEles

Olivia Newton-John e John Travolta em cena do filme Grease
Foto: divulgação

Se você é uma pessoa nascida entre 1980 e 2000, sabe muito bem quem foi a dupla pop brasileira de maior sucesso nesse tempo: Sandy & Júnior.

No filme musical mais famoso da carreira de Olivia Newton-John, ela encarna a personagem Sandy. Uma aluna transferida que passa a ter um envolvimento amoroso com o maior dos Bad Boys da escola: Danny Zuko (John Travolta).

Mas foi direto de Grease que saiu a dupla brasileira. O nome Sandy foi inspirado na personagem de Olivia Newton-John, e nós sabemos que sem ela, não existiria Sandy. Quer dizer, existir existiria, mas não seria a nossa Sandy. Então podemos dizer que a dona do projeto NósVozEles veio direto dos tempos da brilhantina.

O que destrói os grandes

Entre todas as notícias que mais amamos sobre a vida e a carreira de Olivia Newton-John, a mais recente se destaca como uma que abominamos. Perder esse ícone da cultura popular é uma atrocidade com nossa nostalgia, mas é impossível fingir surpresa.

Assim como outros grandes artistas que somos apaixonadas, tal como Alan Rickman e David Bowie, Olivia Newton-John também faleceu por culpa de um câncer. O seu foi de mama, e há anos ela vinha lutando contra essa doença.

2022 está sendo, de fato, um ano triste para o mundo da música: primeiro perdemos Taylor Hawkins (baterista do Foo Fighters), depois a Elza Soares (ícone importante da música nacional) e há pouco tempo perdemos Alec John Such (membro do Bon Jovi). Perder Olivia Newton-John nos faz chorar pela música como um todo, mas tentamos seguir.

E depois de fazer seu minuto de silêncio ao nosso lado por essa perda incalculável, te convidamos para fica de olho aqui no Le Ferrarez. No Instagram você também nos encontra, sempre te atualizando sobre o cenário musical.

Foto de capa: divulgação