Cinelet | Duna – Parte 2: Confira o que esperar sobre a continuação da saga

Duna – Parte 2 estreia nos cinemas brasileiros no dia 29 de fevereiro e já promete ser o grande lançamento cinematográfico do ano

Duna é uma franquia de filmes de ficção científica adaptado dos livros de Frank Herbert, com o mesmo nome, e conta a história de Paul Atreides (Timothée Chalamet), descendente de uma grande casa, que tem o pai (Oscar Issac) assassinado após um golpe arquitetado pelo Barão Harkonnen (Stellan Skarsgård) e o Imperador (Christopher Walken). Isso tudo acontece no primeiro filme.

Após esse ataque, Paul e sua mãe Jéssica (Rebecca Ferguson) são obrigados a fugir e encontram o povo Fremen que vive em Arrakis (Duna) e precisam lidar com a destruição de seu planeta por causa da exploração de especiarias. Essa que é uma matéria-prima muito poderosa usada como combustível para naves de todo o império.

Já no segundo filme, Paul se encontra na função de ganhar a confiança do povo Fremen para ter um apoio na sua missão de vingança contra aqueles que assassinaram seu pai.

Opinião da Redação:

Em Duna – Parte 2, Paul é um estrangeiro em uma nova civilização e precisa contar com a ajuda dos Fremen para atacar o Barão Harkonnen e o Imperador Shaddam IV. Ele busca essa aliança tentando entender melhor as tradições e hábitos daquelas pessoas para se tornar um deles. Enquanto sua mãe, uma Reverenda Madre das Bene Gesserit (irmandade de bruxas que manipulam as vidas de outras pessoas para chegar aos destinos que foram traçados a elas), usa o poder da religião para unir devotos na crença de que Paul é o novo messias e irá renascer o paraíso verde para Arrakis. A profecia diz que um escolhido virá para salvar o povo que vive em um imenso deserto e conseguirá trazer de volta a vegetação que não existe mais ali.

Durante o começo do filme, a gente vê essa construção de amizade e confiança entre Paul e os Fremen, muito encorajado por seu líder Stilgar (Javier Bardem) que acredita cegamente que Paul é o novo messias. Ele acaba passando por muitas provas e treinamentos enquanto vão destruindo bases de coleta de especiarias dominadas por Glossu Rabban Harkonnen (Dave Bautista).

É o momento que você também vê a construção de relacionamento entre Paul e Chani (Zendaya). No primeiro filme, ela aparece poucas vezes sendo apenas uma visão de Paul, eles só se conhecem no fim. Mas nessa segunda parte, a personagem de Zendaya aparece mais vezes e acaba tendo uma importante função para o caminho do protagonista.

O que me chama muito a atenção nesse filme é o papel das personagens femininas. Mesmo que o protagonista seja um homem, algo que é dado como um erro pela irmandade Bene Gesserit, pois elas dizem no primeiro filme que Jessica deveria ter gerado uma mulher e Paul não poderia ter passado pelo treinamento delas. Quem escreve a história e define o que irá acontecer são as mulheres.

Tudo começa com as Bene Gesserit, passando por Jéssica, até chegar em Chani que é um papel importantíssimo para a entrada de Paul no povo Fremen e princesa Irulan (Florence Pugh) que é filha do imperador e se torna uma peça fundamental paras as questões políticas da história.

Outro personagem muito significativo nesse filme é Feyd-Rautha Harkonnen (Austin Butler), sobrinho do Barão e um psicopata que vê a tortura e morte como formas de diversão. Ele é mandado para Arrakis por seu tio para substituir o irmão que está falhando em acabar com o povo Fremen e perdendo suas colheitas de especiarias.

É muito interessante quando você assiste um personagem e não consegue ver o ator por trás, é isso que acontece com Feyd-Rautha. Não apenas a maquiagem que o deixa completamente sem pelos e cabelo, mas as expressões e voz que o ator usa são macabras e mostram muito bem a proposta do personagem. Austin entrega, com certeza, uma brilhante atuação nesse filme.

A história dessa nova parte de Duna mostra um pouco mais a fundo sobre o planeta Arrakis, sua população, explica melhor as condições políticas daquela galáxia e como são as disputas de poder. Ele também mostra como a religião e as crenças têm uma grande influência nas pessoas e podem gerar significativas mudanças para uma população.

Na parte política, é possível ver a divisão hierárquica das grandes famílias, tendo o Imperador, como o maior líder de todos. Os duques como Paul Atreides que tem o título vindo de seu pai. Na monarquia, os duques são os que possuem o nível mais alto da hierarquia após o rei. São os filhos e irmãos do rei que carregam essa titulação. Isso mostra que Paul tem “sangue real” vindo do pai Leto Atreides.

Já os barões são títulos conquistados por homens ricos que não têm vínculo de realeza com os monarcas. Eles conseguem essa nomeação mostrando sua lealdade e fidelidade aos reis. Isso mostra que os Harkonnen têm o seu estado de poder através de suas conquistas, nem sempre de forma correta, na verdade, é tudo conquistado através de muita destruição e derramamento de sangue.

Entender essa parte de como cada casa se encontra na hierarquia é fundamental para entender um plot da história do filme. Mas eu não vou falar porque vai ser spoiler.

O filme, no geral, acaba bebendo de diferentes histórias que já são conhecidas na cultura POP. Você consegue ver um pouco de Star Wars com a civilizações que tem lados mais primitivos e outros altamente tecnológicos (os livros de Duna foram uma grande influência para a criação do universo de Star Wars). Eu também captei algumas coisas de Matrix como a missão do escolhido em salvar o povo.

Há também a forma como as Bene Gesserit influenciam a história que lembra As Brumas de Avalon, livros de Marion Zimmer Bradley, e como elas utilizam de seus poderes para ditar a história politicamente. E é possível conectar o filme como a luta de poder entre os grandes pode afetar diretamente uma sociedade e os mais vulneráveis. Isso é algo que vemos no nosso dia a dia.

Não estou falando que alguma obra copiou a outra, até porque os livros de Duna são mais antigos, foi apenas uma associação que fiz enquanto assistia o filme. Então se você é fã de algumas dessas histórias, pode ser que goste também de Duna.

No geral, Duna é uma grande produção cinematográfica que reúne os nomes mais importantes da indústria atualmente e vem para explicar perguntas levantadas no primeiro filme. Por isso a expectativa desse lançamento está bem alta e muito se vem falando sobre o filme desde o seu anúncio.

Após assistir essa cabine, eu posso dizer que Duna – parte 2 conseguiu entregar muito bem as expectativas ao redor do filme, sendo até melhor que o primeiro. Um prato cheio para quem gosta de filmes com muita ação, cenas de tirar o fôlego e grandes plots twist.

Por isso, Duna irá levar cinco saquinhos de pipoca:

Gostou do Cinelet de hoje? Então continue acompanhando o site e o Instagram para ficar por dentro de tudo que acontece no mundo do entretenimento.