Leleu | O Primeiro a Morrer no Final: a inevitável despedida

O Primeiro a Morrer no Final é arrebatador e visceral, e queremos acessar ainda mais esse universo 

O Primeiro a Morrer no Final, novo livro de Adam Silveira, acabou de chegar na Intrínseca. A gente, óbvio, amou a novidade. Afinal: quem não ama um bom drama fofinho?

Orion é alguém que esteve esperando a morte a sua vida inteira. Sua doença incurável garante a ele que ela está ali, espreitando. Enquanto isso, Valentino passa a ficar curioso sobre sua chegada prematura ao fim da vida depois de se deparar com uma quase morte de alguém da família.

Parece desesperador, mas a Central de Morte está presente na vida das pessoas para isso: permitir que vivam suas últimas 24 horas de vida sem arrependimentos.

Personagens

Recorte da capa de O Primeiro a Morrer no Final
Foto: divulgação/Amazon

Com muito talento, Adam Silveira cria personagens cheios de profundidade. E claro que a gente já sabia disso, seja por sua parceria com Becky Albertalli ou por seus livros solo.

Em Os Dois Morrem No Final, livro que apresentou aos fãs a Central de Morte e alguns de seus clientes, já tínhamos amado todo o contexto da trama. Mas agora a gente ama ainda mais.

O Primeiro a Morrer no Final tem personagens interessantes e profundos, com razões exclusivas para não desejarem uma ligação da empresa. Não que alguém queira a ligação, mas se prevenir sobre isso é importante para eles dois.

Enquanto Orion é um racional um tanto pessimista e mórbido sobre sua condição de saúde, Valentino é alguém que nos causa amor ao primeiro parágrafo. Cheio de doçura e leveza, o livro tem personagens apaixonantes.

Opinião da Redação

Capa do livro O Primeiro a Morrer no Final
Foto: divulgação/Amazon

Amamos O Primeiro a Morrer no Final, tanto quanto amamos Os Dois Morrem no Final.

Sensível, visceral e majestoso, o livro novo de Adam Silveira explora uma versão nossa que ainda não tínhamos conhecido: a paixão por uma história que está fadada a dar errado. E se você acha que é o mesmo sentimento do primeiro livro, se equivocou.

Talvez por acontecer sete anos antes, dessa vez a história segue por caminhos que nos desestabilizam de formas diferentes. E a gente ama um bom drama. Seja ele como for. 

Digno mesmo de livro de ouro. Uma das melhores leituras de 2022, e a gente já indica como presentinho de natal. Afinal: quem não quer estar dentro da cabeça de Orion e Valentino?

Você também curte as histórias da Central de Morte? A gente ama imensamente! Agora só precisamos saber qual sua sensação ao ler o livro, e para isso estamos lá no Instagram; te esperando. E aqui no site você continua por dentro de todas as atualizações do mundo do entretenimento.

Foto de capa: divulgação